Tuesday, March 23, 2010

Invento de inverno intocado.




Dançavam todos. Os que sentem sabor de bolor de mentira na boca, os que se anestesiam com ilusões catadas ao vento e os que pregavam verdades nas paredes alheias. Era uma festa bonita; tinham velas pelos cantos, palavras pelo ar e inconstâncias por dentro deles.

Na piscina de mágoas, um reflexo circular da luz de qualquer razão, qualquer bem saída de mal.

Cirandas e labirintos fizeram todos dar as mãos, sobre quaisquer formas de convívio e contato. Enrolavam-se nos cobertores de baratas e traças de papéis amarelos. Sem gravidade, sem tempo, sem mesuras.

Entrega total a incosciente e razão de que não se sabe nem se saberá.

Versões de histórias correram e vestiram mesas, camas e pessoas. Desceram abismos, estagnaram ou subiram aos céus todos os dias. Esfumaçaram-se nas vidraças, encontraram as privadas e boiaram em poças internas.

A chuva ácida tatuou o formato final nas peles e almas.

4 comments:

Anonymous said...

.

Anonymous said...

This will astonish you!
Please see before you judge!

ZEITGEIST: ADDENDUM

http://www.zeitgeistmovie.com/

Money as debt

http://www.youtube.com/watch?v=vVkFb26u9g8

project camelot magnetic motor

http://www.youtube.com/watch?v=hkgyY47duCM

Importante please pass forward

joven said...

hi, you have nice blog.. u can view also mine..http://akoniwares.blogspot.com

Keila Costa said...

Belo texto!